Se não aprecia filmes de terror ou acha que já não tem idade para doçuras ou travessuras, planeie um Halloween diferente, carregado de emoções fortes, sustos, palpitações e arrepios. Para o ajudar, o All About Portugal foi à procura de locais assombrados em Portugal, que prometem fazer subir os níveis de adrenalina a níveis históricos. Olhe o medo de frente e parta à descoberta dos mistérios insondáveis de cada lugar, alimentados por lendas seculares, fenómenos inexplicáveis ou histórias de um passado trágico. Prepare-se para um roteiro do outro mundo, impróprio para cardíacos. Boo!

Pousada da Serra da Estrela

Com uns impressionantes 160 metros de fachada, 92 quartos, corredores compridos e um elevador vermelho, o edifício, que na sua primeira vida foi um sanatório, remete-nos imediatamente para os cenários de “Shining”, de Stanley Kubrik. Votado ao abandono durante décadas, não se livra da fama de estar assombrado por doentes que ali morreram de tuberculose. Desde a reabertura, não há relatos de episódios paranormais, mas, em noite de Halloween, o susto pode estar ao virar da próxima esquina!

Convento de Mafra

Já ouviu falar dos ratos mutantes que habitam os calabouços do Convento? Há rumores de que são albinos, grandes como coelhos, donos de um apetite voraz e imunes a qualquer desinfestação! Os túneis não estão abertos ao público, portanto fiquemo-nos por uma visita à biblioteca. Fique atento aos sons em redor. Consta que, nas prateleiras, entre os livros, vivem morcegos. Claro que há quem fale em espíritos de trabalhadores que ali perderam a vida. E de um capitão sem cabeça que deambula pelas ruas.

Capela dos Ossos – Évora

À entrada, o aviso: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”. Está dado o mote para uma aventura assombrosa ao estilo Indiana Jones. A Capela, situada na Igreja de São Francisco, em Évora, é toda ela decorada com cerca de 5000 crânios e ossos humanos, recolhidos nos cemitérios e igrejas da cidade e cuidadosamente dispostos pelas paredes e arcadas. Na penumbra, tente vislumbrar dois esqueletos inteiros pendurados. Um deles é de uma criança. Resista à vontade de gritar (ou de fugir).

Aqueduto das Águas Livres – Lisboa

Na primeira metade do século XIX, um jovem galego espalhou o terror pela capital. Em três anos, Diogo Alves matou mais de 70 pessoas. O “modus operandi” era cruel: infiltrado nas galerias do Aqueduto das Águas Livres, roubava as vítimas antes de as atirar do topo do arco maior, de uma altura de 65 metros! O assassino em série do Aqueduto foi o último condenado à morte em Portugal e a sua cabeça está conservada em formol no Museu da Faculdade de Medicina de Lisboa. Com os olhos bem abertos!

Teatro Lethes – Faro

Conhecido como o “São Carlos do Algarve”, o Teatro Lethes oferece uma programação rica e diversificada, que vai do teatro à música e à dança. Informe-se antecipadamente ou vá simplesmente conhecer o espaço. Dizem que, por vezes, quando há silêncio, é possível ouvir passos e a madeira do palco a ranger. Reza a lenda que se trata do espírito de uma bailarina que, há muito, muito tempo, se terá enforcado em pleno palco e que por ali andará, ainda, a dançar...

Castelo de Montemor-o-Novo

Há uns anos, a notícia correu o país: um fenómeno sobrenatural teria interrompido as gravações de uma novela, que decorriam na capela do Castelo de Montemor-o-Novo. Houve relatos de avaria inexplicável de equipamentos, indisposições e comportamentos estranhos de alguns atores. As linhas fantasmagóricas da igreja, a elevada humidade do local e as inúmeras lendas a si associadas podem ajudar a explicar o sucedido. Acredite ou não, o melhor é julgar por si mesmo. Atreve-se?

Cemitério de Agramonte – Porto

No dia em que os zombies saem à rua, sugerimos um passeio num cemitério. Macabro? Nem por isso. Seja pela beleza arquitetónica, pela riqueza das esculturas ou pelos ilustres “inquilinos”, alguns cemitérios são verdadeiras atrações turísticas, com direito até a visitas guiadas. É o caso dos Prazeres, em Lisboa, ou o de Agramonte, no Porto. Neste último, dê atenção aos mausoléus e deixe-se impressionar pela recordação do incêndio no Teatro Baquet que, em 1888, causou a morte a 120 pessoas.

Vilar de Perdizes

Os congressos de medicina popular do Padre Fontes, que todos os anos reúnem investigadores, bruxos, curandeiros, exorcistas e simples curiosos, fizeram da remota aldeia do concelho de Montalegre a capital do oculto. O Halloween é celebrado com pompa, pois claro: bruxas e seres do além saem à rua e prometem assombrar os mais incautos. Não deixe de provar a tradicional “queimada”, licor à base de aguardente que dizem ser capaz de esconjurar todos os males. Preparado para uma noite do outro mundo?

Capela do Senhor da Pedra – Gaia

É um dos mais belos cartões-postais de Vila Nova de Gaia mas há quem prefira nem passar perto depois do sol se pôr. Construída em 1686 sobre um rochedo, de costas para o mar, esteve desde sempre envolta em lendas e misticismos. Contam-se histórias de feitiçarias, milagres, romarias pela madrugada e rituais de magia negra. Se na noite mais assustadora do ano não avistar nada estranho, não desanime. Aproveite para conhecer aquela que foi considerada uma das praias mais bonitas da Europa.

Chalet Biester – Sintra

Entre casas assombradas, feitiços, ritos satânicos ou almas penadas que deambulam pelas estradas, a Serra de Sintra é um convite ao medo. Nas suas misteriosas encostas, encontre um edifício com telhado em forma de cone… ou de chapéu de bruxa. “A Nona Porta”, thriller de Polansky com Johnny Depp, foi ali parcialmente rodado, pelo que é provável que lhe pareça familiar. Não é possível visitar o interior mas consta que, num dos pisos subterrâneos, se encontra uma cópia do livro do diabo.

Quinta da Regaleira – Sintra

É um lugar mágico, carregado de mistérios e mitos que se perdem no tempo. A relação da Regaleira com o oculto é evidente e nada ali foi feito ao acaso. Tente decifrar os símbolos que adornam o edifício, ligados à maçonaria, aos templários, à alquimia… Descubra os jardins, as grutas subterrâneas e os enigmas do poço iniciático, que parece saído de um filme de Harry Potter. Em pleno outono, e sendo dia de bruxas, é possível que tenha a sorte (ou azar) de ser assombrado por um denso nevoeiro...

Convento dos Capuchos – Sintra

Confunde-se de tal forma com a Natureza que poderá até passar despercebido a quem estiver apenas de passagem. Os corredores e celas do edifício principal, todo em pedra e cortiça, são desoladores, de tão pequenos, escuros e frios. Despojado de qualquer luxo ou conforto, o austero convento abrigava frades franciscanos que, em nome da espiritualidade, enfrentavam condições extremas. Um deles, Frei Honório, terá passado três décadas em regime de penitência numa gruta exígua, que pode visitar.

Palácio de Seteais – Sintra

Quarto 18. Quando se trata do Palácio de Seteais, em Sintra, o número é passível, por si só, de causar arrepios. É que essa divisão era habitada por um hóspede que ali morreu e cujo espírito, garantem, por lá permanece. Há relatos de barulhos estranhos, de portas a bater e de uma voz masculina, alegadamente captada em vídeos aos quais o All About Portugal não teve acesso. Encha-se de coragem e reserve já o dito aposento. Quem sabe se não trará uma história assombrosa para contar.