Liga a charmosa cidade de Chaves, quase colada a Espanha, a Faro, já no Algarve. Pelo caminho, desafia à descoberta de 35 localidades, entre rios e serras a perder de vista. Há quem já a compare à lendária "Route 66", nos Estados Unidos, mas, apesar da "timidez", a Estrada Nacional 2 é bem portuguesa e uma ode ao país e às suas gentes. Os sotaques carregados a Norte vão variando à boleia da gastronomia, das povoações (muitas delas a lembrar outros tempos e verdadeiros contos de fadas) e da genuína e única maneira de bem receber como só os portugueses sabem. Se está à espera de um sinal para se fazer à estrada, aqui está ele: aceite o desafio do All About Portugal e organize a jornada romântica (ou não) da sua vida. Prometemos que vai ser inesquecível!

Dia 1: Chaves

A viagem começa junto à fronteira com Espanha, em Chaves. A terna cidade guarda ainda a memória da passagem dos Romanos, no coração de Trás-os-Montes, tendo na Ponte Romana de Trajano um dos seus principais ex-líbris. Conhecer a cidade não se faz apenas a pé – não deixe de admirar o Castelo e o Forte de São Neutel –, mas também à mesa: não há como resistir ao Folar de Carne na Páscoa, aos Pastéis de Chaves, às alheiras e ao presunto.

Vila Real

De seguida, descubra Vila Real. A localidade é um verdadeiro quadro: é banhada por um dos afluentes do Douro, o Rio Corgo, e tem como pano de fundo as Serras do Alvão, da Falperra e do Marão. Uma das suas imagens de marca é o Vinho da Região Demarcada do Douro, pelo que não deixe de se deliciar com este néctar (com moderação, claro). Poderá fazê-lo na Casa de Mateus, que inclui visita à adega e prova de vinhos, mediante reserva.

O incomparável Douro

O Douro é, sem dúvida, uma das grandes atrações deste passeio por Portugal. O rio, as suas vinhas e paisagens tão caraterísticas acompanham a EN2 a Norte, num contacto único entre estrada e Natureza. Será difícil resistir a parar e fotografar a área envolvente, ou simplesmente admirá-la. Para completar, não deixe de parar na Régua, onde pode encontrar o Museu do Douro e descobrir mais sobre esta idílica região portuguesa.

Sugestão: Tasca da Quinta

A gastronomia é, como não podia deixar de ser, um elemento essencial desta aventura. Há muitos restaurantes que merecem uma paragem neste primeiro dia, como a Taberna Benito em Chaves, a Casa de Pasto Chaxoila em plena EN2 e os restaurantes São Gabriel e Santo António em Santa Marta de Penaguião. Para o primeiro dia, recomendamos uma paragem na Tasca da Quinta, na Régua. Experimente a tapa de pimentos e cavala, os rojões ou um dos vários pratos com alheira.

Dia 2: Lamego

Depois do descanso merecido, a viagem segue em Lamego, que tem como ponto alto o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Caso opte por dormir na localidade, o turismo de Natureza é uma das suas referências. Aproveite também para explorar a gastronomia local, onde se destacam pratos com longa tradição, como o cabrito, as trutas de escabeche ou os enchidos, entre outros. Como não podia deixar de ser, acompanhe a refeição com o vinho da região do Douro.

Termas de São Pedro do Sul

Junte à sua roadtrip uma paragem de bem-estar, nas Termas de São Pedro do Sul, inseridas num cenário de incrível beleza natural. Há séculos que são procuradas para tratamento de doenças como reumatismo ou doenças do sangue e do aparelho respiratório, entre outras. A história escreve-se, inclusivamente, com a passagem da realeza – como foi o caso do primeiro Rei de Portugal D. Afonso Henriques – pelas termas, cuja origem remonta à época romana.

Sugestão: Vissaium Taberna

Seja gastronomia ou vinho, há muito por escolher na região de Dão-Lafões. É também uma boa desculpa para visitar Viseu, nomeadamente a Sé, a Porta dos Cavaleiros ou a Cava de Viriato. Já no que diz respeito à comida, pode degustar um dos inúmeros pratos tradicionais, como chanfana de cordeiro, favas com entrecosto ou o rancho à moda de Viseu. As opções são variadas, mas destacamos a Vissaium Taberna, onde pode optar por petiscos ou pratos.

Dia 3: Lousã

A Serra da Lousã é "desvio" obrigatório quando se atravessa a Estrada Nacional 2. É, sem dúvida, um dos momentos mais bonitos da viagem, pelo que deve explorar as suas Aldeias do Xisto. Recomendamos especialmente o Talasnal, a 500 metros de altitude. Passeie pelas ruas estreitas e deixe-se conquistar pelo encontro perfeito entre o xisto e a Natureza, nesta pequena povoação caraterizada pelos seus produtos locais, principalmente os Talaniscos e Retalhinhos.

Sugestão: Santo Amaro

Pare para recarregar baterias na Sertã, com uma refeição preenchida do melhor que a região oferece no prato e no copo. Comece por uma sopa de peixe e delicie-se depois com os populares maranhos, bucho recheado ou ensopado de peixe. Também os doces são imagem de marca da região, destacando-se a tigelada beirã, os cartuchos de amêndoa e as merendas doces. A oferta de restaurantes é variada, sendo que aqui recomendamos o Santo Amaro.

Vila de Rei

Foi terra de Celtas e Romanos, e não escapou às invasões Francesas. Mudou várias vezes de apresentação, sobretudo com a construção da Barragem de Castelo de Bode, que deixou submersos vários terrenos. É aqui que se encontra o centro geodésico de Portugal, no cume da Serra da Melriça, batizado de Picoto da Melriça. A subida vale a pena também pela paisagem envolvente de cortar a respiração. Se o tempo assim permitir, aproveite para relaxar na Praia Fluvial do Penedo Furado.

Castelo de Almourol

Outro dos desvios inevitáveis é o Castelo de Almourol. A sua localização confere-lhe uma beleza singular que lembra os mais belos contos de fadas. Aproveite para registar o momento em fotografia ou para um breve passeio de barco. Já em Abrantes, visite a Fortaleza e o Castelo, bem como o caloroso Centro Histórico. Se o momento gastronómico se proporcionar, experimente as tradicionais tigeladas e palha de Abrantes. Vai ser de comer e chorar por mais.

Dia 4: Alentejo

A entrada na região do Alto Alentejo faz-se por Ponte de Sor, seguindo-se depois Avis, Mora e Coruche, no Ribatejo. Aproveite para se demorar um pouco em cada localidade, explorando o Património histórico e natural. Entre as paragens "obrigatórias", a ponte que dá nome a Ponte de Sor, o Castelo de Avis, a incrível Anta de Pavia em Mora – que integra uma capela –, e o Centro Histórico de Coruche. Além disso, já se sabe que o Alentejo é uma referência no que à gastronomia e vinho diz respeito...

Sugestão: O Cortiço

Por falar em comida, no Alentejo o difícil é decidir onde parar, já que há muita (e boa) oferta. Delicie-se com uma açorda alentejana, com os irresistíveis pratos de cabrito e borrego, ou a sopa de cação. Há tantas iguarias deliciosas que se justificariam semanas seguidas por estas paragens. Como sugestão, recomendamos O Cortiço, em Montemor-o-Novo. Aproveite a paragem na localidade para visitar as ruínas do Castelo, os cromeleques e a Gruta do Escoural.

Aljustrel

Continuando a descer pela região, rumo ao Algarve, há contornos para todos os gostos: paisagem belíssima, localidades pequenas e acolhedoras e miradouros incríveis. Veja a Reserva Natural do Estuário do Sado em Alcácer do Sal e a impressionante Capela do Calvário em Ferreira do Alentejo. Pare depois em Aljustrel, que tem como imagem de marca as suas longas planícies. Muita da sua história está ligada ao passado mineiro e à Ermida de Santa Maria do Castelo.

Algarve

Cruzar o Algarve com a Serra do Caldeirão como pano de fundo é algo de incrível. Também a gastronomia confere à descoberta uma beleza extra e à qual é difícil resistir. Demore-se pelo verde caraterístico da zona e acabe junto à incontornável Ria Formosa, que convida a um passeio a pé. Para terminar em grande, e se o tempo assim permitir, escolha uma das múltiplas praias à disposição e despeça-se desta viagem de sonho com um mergulho a condizer.