Alcobaça

Muito antes da presença cristã que, sem dúvida, marcou profundamente a história de Alcobaça, o homem já ocupava estas terras desde tempos primordiais, a avaliar pelo material lítico encontrado que nos faz recuar à época do Paleolítico. A romanização também deixou fortes marcas no concelho, sendo o melhor exemplo disso a estação arqueológica de Parreitas, e presume-se que a origem de Alcobaça como vila remonte a este período, surgindo o nome da antiga povoação “Helcobatie” e, mais tarde, “Alcoboxo”, durante a presença dos árabes a partir do século IX. Foi nesta altura que surgiram os castelos de Alfeizerão e de Alcobaça, o qual incentivou os monges à construção do Mosteiro de Alcobaça, três séculos mais tarde. O estabelecimento da Ordem de Cister em Alcobaça atribui-se sobretudo, às doações de D. Afonso Henriques, a quem se deve a construção do mosteiro em 1148, edificado na confluência dos rios Alcoa e Baça, que se afirma como a mais pura e majestosa abadia erguida pelos monges em toda a Europa, facto que lhe valeu a classificação de Património Mundial pela UNESCO em 1983. A presença desta ordem religiosa marcou o desenvolvimento cultural, social e económico da região na altura, pelo que foram muitos os privilégios atribuídos pelos reis da primeira dinastia aos monges, com a concessão de um vasto território ao mosteiro. Após praticamente sete séculos, os monges abandonam o mosteiro a 13 de outubro de 1833, deixando atrás de si uma pequena povoação de poucos habitantes. Hoje, assiste-se a um forte desenvolvimento da região, mormente apoiado pelo turismo e pela aposta na construção de zonas industriais modernas, infraestruturas culturais, educativas, desportivas e ambientais, sem nunca deixar de parte as tradições. São elas que sobrevivem na rica gastronomia do concelho, repleta de referências religiosas, em iguarias como as Delícias de Frei João, o Pudim de Ovos dos Frades, os Tachinhos à Dom Abade, ou no famoso Pão-de-ló de Alfeizerão, os Pastéis da Padeira, as Tortas de Aljubarrota e as Queijadas do Bárrio. No artesanato, destacam-se a olaria e a cerâmica típicas de Alcobaça, que reproduzem o azul e branco das antigas faianças portuguesas do século XVII, os cristais, as tapeçarias, as mantas de farrapos, as cestas de verga ou as coloridas esteiras de Junco de Cós. Todo um conjunto de razões que fazem deste concelho um destino a ter em conta.

Onde Comer em Alcobaça

O que fazer em Alcobaça

Onde dormir em Alcobaça

Real Abadia Congress & Spa Hotel
Real Abadia Congress & Spa Hotel

4 estrelas

O Real Abadia Congress & Spa Hotel abriu em Abril de 2013, a três quilómetros do Mosteiro de Alcobaça. Este quatro estrelas tem 32 quartos, duas suites júnior …

Vale d’Azenha Hotel & Residences
Vale d’Azenha Hotel & Residences

4 estrelas

Inaugurado no verão de 2015, o Vale d’Azenha Hotel & Residences, localiza-se perto de Alcobaça e vai beber inpsiração nos produtos e história da Região Oeste. …

Your Hotel & Spa Alcobaça
Your Hotel & Spa Alcobaça

4 estrelas

Localizado nas imediações da cidade histórica de Alcobaça, o Your Hotel & SPA é um local de refúgio e tranquilidade, que combina o equilíbrio da natureza envol…

Perto de Alcobaça

Nazaré

Nazaré


Pode dizer-se que a Nazaré, e o povoamento do promontório que lhe deu origem (o Sítio), nasceu das condições e do sentimento religioso suscitado pelo…

Pedrógão Grande

Pedrógão Grande


Situado no extremo noroeste do distrito de Leiria, o concelho de Pedrógão Grande encontra-se inserido na zona do Pinhal Norte, considerada a maior ma…

Ansião

Ansião


Ansião é uma pequena vila do distrito de Leiria, com cerca de 2500 habitantes, sede de um município que, com perto de 14.000 pessoas distribuídas por…

Caldas da Rainha

Caldas da Rainha


Este é um dos centros urbanos da região Oeste que conheceu um maior desenvolvimento nas últimas décadas, registando mais de 50 mil habitantes em 2008…