Prepare-se para redescobrir a magia da cidade do Porto! Quem diria que Harry Potter, escrito pela inglesa J.K. Rowling, aprenderia a andar na Invicta, tornando-se então real no papel após uma longa estadia na cabeça da autora, que ali morou entre 1991 e 1993? Com paisagens tão bonitas como aquelas que o Porto oferece, não é de admirar que Joanne tenha encontrado nas suas ruas, da Ribeira até à vista apaixonante do topo da Torre dos Clérigos, um porto de abrigo para escrever. O All About Portugal fez o trabalho de casa e preparou, para os maiores fãs da saga (e não só), um roteiro irresistível!

Para começar: Majestic Café

Esta viagem mágica começa, nem de propósito, no Majestic Café, um dos mais antigos e emblemáticos do Porto. Aproveite para começar o roteiro com o pequeno-almoço num dos locais que se diz ter inspirado J.K. Rowling, então professora de Inglês e casada com um português. Na biografia da autora, escrita por Sean Smith, pode ler-se que J.K. escreveu parte de "Harry Potter e a Pedra Filosofal" no Majestic.

Desça até à Estação de São Bento

Na Estação de São Bento não há uma plataforma 9/3, como na reimaginada King's Cross, mas há outras revelações a descobrir. As suas paredes respiram história e a construção imponente parece esconder na sua estrutura os segredos da passagem para um mundo fantástico. J.K. não terá ficado, certamente, indiferente.

Entre em Hogwarts pela porta da Livraria Lello

Ponto alto deste roteiro, a emblemática Livraria Lello é um ponto de passagem obrigatório para os fãs de Harry Potter. A saga atraiu, inclusivamente, novos públicos para o histórico espaço do Porto. As escadas centrais da Livraria Lello, a sua principal carta de visita, parecem teletransportar diretamente os visitantes para a Escola de Feitiçaria. Qualquer semelhança com a Livraria Flourish and Blotts não será também mera coincidência.

Aproxime-se do centro pela Praça da Liberdade

A colocação da Praça da Liberdade neste roteiro, além de ser um ponto de passagem para as restantes atrações, é, sem dúvida, simbólica. Portugal conseguiu, em 1974, a libertação de um regime ditatorial, cujo máximo representante foi António de Oliveira Salazar. Diz-se que serviu de inspiração para o fundador dos Slytherin, a casa associada aos vilões da saga, Salazar Slytherin. O nome parece confirmar isso mesmo.

Suba até à Reitoria da Universidade do Porto

Algo que obviamente influenciou J.K. Rowling foram os estudantes portugueses e, particularmente, o que vestem. As semelhanças são evidentes: o fato académico das universidades nacionais é composto por um fato preto, camisa branca e uma capa negra. Com o que se parecem? Com os fatos dos alunos de Hogwarts, pois claro!

Repare na Fonte dos Leões, na Praça de Gomes Teixeira

Mesmo em frente à entrada principal da Universidade do Porto, está a popular Fonte dos Leões, assim conhecida por causa dos animais que a ornamentam. As suas asas lembram as estátuas que se encontravam no Salão Principal de Hogwarts, enquanto os leões nos remetem para uma das casas, Gryffindor. Foi nessa equipa que o Chapéu Selecionador colocou Harry Potter.

Viaje ao passado com a Torre dos Clérigos

Um dos momentos mais dolorosos de toda a saga acontece numa Torre, no sexto livro, onde uma das personagens centrais é assassinada. Um dos locais mais conhecidos e elevados da cidade Invicta, a Torre dos Clérigos poderá ter servido de inspiração à Torre de Astronomia, a mais alta de Hogwarts. Embora remeta para um acontecimento triste na obra de J.K. Rowling, a vista do Porto, desde o topo, irá certamente proporcionar momentos felizes.

Escolha a sua vassoura na Escovaria de Belomonte

Antes de se afastar do centro do Porto, não pode deixar de conhecer a Escovaria de Belomonte, inaugurada em 1927. Com vassouras e todo o tipo de escovas feitas à mão, o local encaixaria na perfeição em Diagon Alley. As próprias vassouras, algumas penduradas no tecto, lembram as "voadoras" do universo criado por J.K. Rowling.

Termine em beleza nos Jardins do Palácio de Cristal

Nada melhor, para finalizar este roteiro com chave de ouro, do que os maravilhosos Jardins do Palácio de Cristal. A autora terá escrito alguns capítulos do primeiro livro neste espaço, que se diz poder ter inspirado o Floresta Negra da saga, nomeadamente pela aura de mistério que "habita" os jardins. Além da vista sobre a cidade, este é um autêntico tesouro a céu aberto, inescapável para quem gosta de passear.